sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Em Foco: Construindo Caminhos Vocacionados


Lembro-me com saudade da época em que participava com minha mãe e um aguerrido grupo de moradores dos movimentos por melhorias para o bairro em que resido. Era inicio da década de 80 e o país atravessava uma profunda recessão. O contexto socioeconômico não era nada animador o que fazia com que as perspectivas de um futuro promissor sequer pairassem a mente. Entretanto, em detrimento ao contraditório, éramos mais que tínhamos e isto nos fazia felizes

Sempre fui considerado uma criança “precoce” no que tange à desenvoltura para a comunicação. A habilidade de concatenação de palavras e idéias sempre me permitiu discorrer como gente grande nas conversas dos adultos demonstrando opinião firme e consistente acerca dos assuntos em pauta. Desde então a consciência critica e a visão humanista principalmente em relação à política foi amadurecendo ao longo do tempo e se tornando cada vez mais presente em minha vida.

O tempo passou e com ele minha fase da adolescência. A próxima etapa indicava um elevado patamar de responsabilidade, afinal o agora Jovem Carlos precisaria arrumar um emprego para ajudar no pesado orçamento de casa. E assim foi, porém nunca deixei de sonhar e muito menos de plantar sementes nos lugares pelos quais passei.

Daí porque digo que construir caminhos vocacionados nem sempre é tarefa fácil. E se existe uma passagem que traduz com propriedade esta afirmação é a que encontramos no texto Sobre Política e Jardinagem de Rubem Alves que diz “escrevo para vocês, jovens, para seduzi-los à vocação política. Talvez haja jardineiros adormecidos dentro de vocês. A escuta da vocação é difícil, porque ela é perturbada pela gritaria das escolhas esperadas, normais, medicina, engenharia, computação, direito, ciência. Todas elas, legítimas, se forem vocação. Mas todas elas afunilantes: vão colocá-los num pequeno canto do jardim, muito distante do lugar onde o destino do jardim é decidido. Não seria muito mais fascinante participar dos destinos do jardim?” (www.rubemalves.com.br/sobrepoliticaejardinagem.htm)

Talvez você esteja surpreso (a) ao se identificar com o contexto acima, não é mesmo? Entretanto ainda que às vezes afunilados pelas gritarias das escolhas esperadas, desistir ou deixar de acreditar em nada contribui para o êxito das realizações no campo pessoal. É preciso coragem e acima de tudo buscar fazer do tempo o melhor aliado para construção de caminhos vocacionados. Definitivamente é o que tenho feito.

Assim, não poderia finalizar este texto sem antes mencionar o pleito ocorrido no último dia 03 de outubro em que fui candidato a Deputado Estadual.

Sempre soube que fazer uma campanha para Dep. Estadual não seria tarefa fácil, dada as limitações de (recursos financeiros, equipe de trabalho, divulgação, etc) as quais estava inserido. Entretanto não desanimei, busquei trabalhar de forma vigorosa divulgando e demonstrando as amplas propostas que defendia com convicção.

Embora não tendo logrado êxito em ser eleito, o resultado não poderia ter sido melhor. Obtive uma expressiva votação que só foi possível mediante o seu voto e ajuda na divulgação junto aos seus amigos e familiares.

Quero deixar registradas minhas mais sinceras palavras de agradecimento e gratidão: primeiro a Deus pela capacidade e vocação que Ele me concede de servir, cuja essência me faz acreditar e realizar e a você que não mediu esforços para me abençoar.

As sementes foram lançadas e no tempo certo os frutos coletivos se darão a conhecer. Espero contar com você em projetos futuros. Mais uma vez muito obrigado.

“A jornada de mil milhas, começa com um passo” (Provérbio Chinês)

Forte abraço,

Carlos Ramalho
www.carlosramalho.com.br


“De todas as vocações, a política é a mais nobre. O político por vocação é um apaixonado pelo grande jardim para todos. Seu amor é tão grande que ele abre mão do pequeno jardim que ele poderia plantar para si mesmo. De que vale um pequeno jardim se à sua volta está o deserto? É preciso que o deserto inteiro se transforme em jardim” (Rubem Alves)

6 comentários:

LICKA ROSEMBERG disse...

Esta citação me lembrou a aula de ciência política. São palavras ditas pelo meu professor:
" A vida política é vivida na praça, pois é na praça que o povo está. Dizer que é político e desempenhar este papel no seu jardim é uma atitude completamente egocêntrica." Bom é mais ou menos isto.

obrigada pela visita lá no blog. Fiquei muito honrada, volte mais vezes.

Lisângela Rosemberg

Carlos Chagas disse...

Acredito que agora em 2012 o seu partido político te valorizará mais do que neste ano. Com certeza você alcançará êxito na campanha. E mais, as ajudas que você teve em 2010 se repetirão, mas é claro que com mais pessoas e com mais foco. Sempre a 1ª candidatura é complicada. Meu tio havia, em 2008, ganho 300 votos enquanto que você 1200.

Conte comigo para sua caminhada! Que venha 2012.

Estefania Soares disse...

Muito bacana, Carlinhos.

Avante!!!!

Conte com meu apoio.

abraco, estefania

Arthur Souza disse...

Que Deus te abençoe amigo.

Ailton Rodrigues disse...

bom dia!
quero aqui registrar meus parabéns e dizer que são homens como vc e idéias como as que evidencia em seus textos que fazem agente continuar caminhando na batalha por uma política séria visando o bem comum.
espero te-lo por muito tempo como companheiro solidarista, o phs conta com vc. um grande abraço.
2012 vem aí !!!.

Ana Bustamente disse...

Oi Carlinhos,

Que pena que você não entrou.

Votei em você.

Fui pra MG, na 1ª. Eleição pra votar em você e contra a Dilma. Votei no Serra e agora no segundo turno também fui em MG votar no Serra.

Puxa!!! Meus candidatos não foram eleitos...

Fiquei triste!!! Torci muito pra você!!! Fica pra próxima!!!!

Se você encontra com a Geni, diga que mandei um abraço. Sou fã de vocês dois.

Um grande abraço,

Ana Maria