sábado, 27 de agosto de 2011

Poesia na Praça Sete - 27/08/11 - Parte I

Por Carlos Ramalho
.
Poesia é vida. Poesia é viver. Poesia é sentimento. Poesia é compartilhar palavras em suas mais diversas formas, conotações e entonações. Mas Poesia é principalmente gerar reflexão sobre temas e cenas diversas.




E é justamente dentro do contexto acima que aconteceu hoje no espaço mais democrático de Belo Horizonte (a Praça Sete de Setembro), o primeiro dos três eventos do Projeto Poesia na Praça Sete, já em sua 5ª edição.




O evento foi aberto pela sempre empolgante Graça Faisão que após breves considerações repassou a palavra ao Poeta Rogério Salgado que de forma brilhante e sucinta enalteceu a importância do Projeto no tocante ao espaço poético democrático ali instaurado.



.
Na primeira hora do evento houve apresentação do Grupo Engenho Sonora que agitou o público presente. Posteriormente se apresentaram o Poeta Manoel Barbosa, a Poetisa Nívea Reis e o poeta, cantor e compositor Regis D´Almeida que emocionou os presentes interpretando a música tema do Projeto na Praça.
.


A participação do público era notória e transitória. Os transeuntes que por ali passavam, paravam por alguns minutos e atentos acompanhavam o desenvolver do evento. Alias, é interessante o simples fato de imaginar que por aquele local transitam todos os dias, histórias de fracassos e sucessos, que narram um verdadeiro e singelo enredo poético prático da vida no melhor estilo como ela é.



.
Um dos momentos mais marcante foi sem sombra de dúvida a aula pública de poesia com a Educadora Social e também organizadora do Projeto Poesia na Praça, a Poetisa Virgilene Araujo que no decorrer de sua fala enfatizou que através da Poesia é possível se expressar no tocante a contribuir para um mundo mais reflexivo, humano e melhor. A poetisa, através desta fala, abriu espaço para que o público presente pudesse participar e se manifestar poeticamente.



.
A timidez aos poucos foi sendo posta de lado e diversas pessoas venceram a barreira do constrangimento e manifestaram o desejo de participar. Três performances foram marcantes.



.
A primeira foi Dona Alaíde. Uma humilde senhora, aparentemente nada letrada no tocante a ter freqüentado os bancos escolares, porém um exemplo prático de vida. Cabisbaixa subiu ao palco e contou um pouco de sua sofrida trajetória de vida. Antes de finalizar sua participação pediu licença a todos os presentes para cantar um Cordel em forma de música. O reconhecimento foi imediato. Dona Alaíde foi muita aplaudida por todos que acompanhavam sua humilde, porém memorável performance.



.
A segunda foi um rapaz que trajava roupa preta que assentou se de cabeça baixa e declamou uma profunda poesia. O rapaz se mostrou muito tímido de tal sorte era pouco falante, mas marcou a todos os presentes.



.
A terceira foi de um rapaz que em conjunto outras duas pessoas, escreveram uma poesia, ali, de momento, tão somente para participar do evento.
Participaram também diversos poetas e poetisas, dentre os quais: Bilá Bernardes, Luiz Gonzaga Marcelino.



.
Virgilene agradeceu a todos pela participação e repassou a palavra para o Poeta Rogério Salgado que interagiu com o público contando acerca de grandes nomes da Música Popular Brasileira e como surgiram algumas das mais belas canções do cancioneiro popular.



.
Finalizando o evento com chave de ouro Graça Faisão agradeceu presença de todos, convidando-os para que retornassem no sábado seguinte, dia 03/09 para mais uma etapa do Projeto. Logo após convidou o Grupo Engenho Sonora para que apresentassem mais um número musical.








Rogério Salgado



Público Presente



Nivea Reis







Manoel Barbosa


Grupo Engenho Sonora






Dona Alaide






Publico Presente









Um comentário:

Gabriel Vítor (vitorgabriel11@gmail.com) disse...

Opa,e ai Carlos blza, me chamo Gabriel, sou o rapaz que junto de duas outras pessoas montaram aquela poesia..rsrs muito legal seu blog parabéns! Gostaria de pedir-lhe que me envie a foto que tirou de nós três eh possivel?