sábado, 21 de julho de 2012

Em 5 Linhas - Período de 25/06 a 29/06/2012

Por Carlos Ramalho

EM 5 LINHAS (29/06/2012) Ditadura no Brasil nunca mais! Esta é a fala das mais altas vozes hierarquias do nosso país. De fato um estado de excessão em nada combina com a democracia. Mas o que dizer da violência gratuita? Do descaso governamental? Não seria uma forma de ditadura impositiva? Somos refém, ou melhor, estamos refém de parte de uma sociedade civil desumanizada.
EM 5 LINHAS (28/06/2012) Triste perceber como as manobras invadem as cortes brasileiras e tornam sem efeito resoluções para gerar transparência e maior solidez na democracia. Num é que hoje o TSE revogou a norma que impedia candidatos com prestação de contas de campanhas não aprovadas de concorrerem às eleições de 2012. Colocar partidos acima da boa fé é um veneno mortal que indigna a opinião publica.
EM 5 LINHAS (27/06/2012) Já esta nas mãos do Sarney a nova proposta para o código penal formulada por uma comissão de Juristas. Mas NOVA mesmo seria se esta proposta viesse de anseio ao clamor da sociedade. Só abranda punições quem não vive a mercê da violência que bate na cara nossa de cada dia. Olha! Lá vai o juiz em seu carro importado e blindado cercado de seguranças. Precisa falar mais?
EM 5 LINHAS (26/06/2012) Hoje é o dia Mundial de Combate as Drogas. Muito alarde negativo tem sido feito acerca da internação compulsória (forçada) de dependentes. Talvez os q recriminam tal medida não tenha parentes em situação de risco eminente. E se existe um direito fundamental é a garantia a vida em todos os seus aspectos. Isto basta! Aliás, se droga fosse bom não deveria ter este nome.
EM 5 LINHAS (25/06/2012) A RIO+20 acabou! Mas os problemas ficaram. Se existe uma maneira de se reverter o quadro pessimista que esta posto tem que haver investimento continuo em mobilidade urbana de massa. Em BH, por exemplo, por que não se aumenta pelo menos um vagão no metro? Espaço nas plataformas existe, o que falta é boa vontade? Ah esqueci as "excelências" não andam de transporte público.

Nenhum comentário: